Slide site cultural de Feijó

Flash Motor's

sábado, 29 de agosto de 2015

Governo lança concurso simplificado com 98 vagas, para a Seaprof

290815-politica-concurso-divulgacao
Área de produção é foco do processo seletivo
O setor da produção rural no Acre ganha um reforço nos próximos dias com a contratação de profissionais de níveis superior e médio para atender as necessidades da Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof).
O processo seletivo simplificado, válido por dois anos, podendo ser prorrogado pelo mesmo período, vai disponibilizar 98 vagas para os cargos de engenheiro de pesca, engenheiro agrônomo, engenheiro mecânico, engenheiro florestal, economista, gestor ambiental, técnico agrícola, agroflorestal e agropecuário, técnico agroecologista, agente administrativo e técnico de segurança do trabalho. Existem vagas de trabalho para os 22 municípios do estado.
A remuneração varia de R$ 2.681,27 para os cargos de nível superior a R$ 1.157,10 para os de nível médio. A jornada de trabalho para todos os cargos é de 40 horas semanais.
“Para a Seaprof a contratação desses novos profissionais vai ser um reforço na nossa equipe técnica para ampliar o trabalho que já fazemos em todo o estado auxiliando o produtor rural, fortalecendo a extensão rural e assistência técnica que fazem parte da nossa missão institucional”, afirma Glenilson Figueiredo, titular da Seaprof.
O edital completo do processo seletivo contendo as informações, prazo de inscrição e documentos necessários deverá ser publicado no Diário Oficial do Estado na segunda-feira, 31.
http://www.agazeta.net/empregos-e-concursos/concursos/10119-governo-lanca-concurso-simplificado-com-98-vagas

Secretários que estavam na comitiva de Sebastião Viana sofrem acidente na BR-364

extra
O secretário de Produção do Estado, Glenilson Figueiredo, e o sub-secretário de Agricultura, Fernando Melo, foram vítimas de um acidente de carro há pouco na altura do km-70 da BR-364 quando se dirigiam para Sena Madureira. Também estavam no veículo, uma caminhonete Hilux, o jornalista Leônidas Badaró, integrante da assessoria de imprensa do governo.

Por telefone, o secretário Nil Figueiredo informou que o pneu estourou e o carro rodou várias vezes até bater no meio fio. “Foi um susto e tanto por pouco não capotamos”, disse.
Eles integravam a comitiva do governador Sebastião Viana, que se dirige a Sena Madureira para anunciar a execução do Luz Para Todos no município. Eles estão retornando para Rio Branco em carro particular para serem atendidos no Pronto Socorro. O secretário informou que todos estão bem.
unnamed
http://www.ac24horas.com/2015/08/29/secretarios-que-estavam-na-comitiva-de-sebastiao-viana-sofrem-acidente-na-br-364/

Bandidos invadem Hospital das Clinicas de Rio Branco, tentam roubar caixa eletrônico e apontam arma na cabeça de funcionários

fotos_hospital_das_clinicas_foto_gleilson_miranda
Na madrugada deste sábado, 29, quatro bandidos fortemente armados invadiram as dependências do Hospital das Clinicas de Rio Branco e renderam 12 funcionários terceirizados da empresa LimpAcre. Um dos funcionários chegou a ser agredido por não obedecer as exigências dos criminosos.

De acordo com informações repassadas pela policia e testemunhas, logo em seguida os bandidos se dirigiram ao Box onde fica localizado três caixas eletrônicos do Banco do Brasil. De posse de um maçarico, os acusados começaram violar um dos equipamentos. No momento que a ação ocorria, um vigilante do HC foi avistado e perseguido por um dos bandidos, mas não foi encontrado, pois ele havia se escondido no Hospital do Idoso, complexo ao lado do HC.
Sem conseguir deter o vigilante, um dos criminosos rendeu um técnico em enfermagem, apontando a arma para a cabeça da vitima e o ameaçou de morte caso ligasse para a Poliia. Escondido, o vigilante que conseguiu escapar entrou em contato com outro vigia que estava distante dos bandidos, e a Policia Militar foi acionada.
Percebendo que a situação estava fora de controle, os bandidos resolveram desistir do roubo e iniciaram fuga em dois veículos. Ao deixarem as dependências da Clinica, a quadrilha efetuou vários disparos de arma de fogo para o alto, tentando intimidar quem se aproximasse.
Ao chegar no local, a policia isolou a área e iniciou as buscas pelos bandidos na região do Distrito Industrial. Até o momento, nenhum dos indivíduos foram identificados. Imagens do circuito interno de segurança serão analisadas pela policia para tentar identificar os acusados.
http://www.ac24horas.com/2015/08/29/bandidos-invadem-hospital-das-clinicas-de-rio-branco-tentam-roubar-caixa-eletronico-e-apontam-arma-na-cabeca-de-funcionarios/

MARIDO AGRIDE ESPOSA COM TACO DE SINUCA

O grupo do GIRO com a Guarnição de serviço fizeram a prisão,em flagrante, do Sr. Elias Brás da Silva, 28 anos, que agrediu sua ex esposa a sra. Naylle Cordeiro de Aleixo, 29 anos, após ter atingido a mesma com um taco de sinuca na cabeça, no Bar do Cantor, bairro Bela Vista. Estavam a ingerir bebida alcoólica no referido bar quando o casal se desentendeu, e o marido de posse de um taco de sinuca a atingiu.
PMAC-FEIJÓ

https://www.facebook.com/profile.php?id=100009376663845&fref=ts

Marina participa de audiência pública sobre mudanças climáticas no AC

Evento ocorreu nesta sexta-feira (28), na capital Rio Branco.
Ex-senadora defendeu substituição de modelo de desenvolvimento.

Caio FulgêncioDo G1 AC
Marina Silva defendeu modificação do modelo de desenvolvimento durante audiência pública, em Rio Branco (Foto: Caio Fulgêncio/G1)Marina Silva defendeu modificação do modelo de desenvolvimento durante audiência pública, em Rio Branco (Foto: Caio Fulgêncio/G1)
A ex-ministra e ex-senadora Marina Silva participou de uma audiência pública, nesta sexta-feira (28), em Rio Branco, que debateu assuntos relacionados às mudanças climáticas nos âmbitos global e nacional. Além dela, o evento teve palestras com pesquisadores e outras autoridades, como o senador Jorge Viana (PT-AC).
Em seu pronunciamento, Marina – reconhecida por levantar a bandeira da sustentabilidade – criticou o modelo econômico vigente e defendeu uma modificação, sobretudo, para evitar que as complicações referentes ao clima se tornem irreversíveis.
“Temos que mudar para um modelo sustentável de desenvolvimento. O atual é insustentável em vários aspectos, não só do ponto de vista ambiental, mas também do econômico, social e no que concerne a questão cultural. Está fracassado. Estamos deixando, a cada dia, um planeta pior para os nossos netos”, disse.
A ex-senadora ressaltou ainda a existência de uma crise mundial em diversos âmbitos. “Vivemos uma profunda crise que se constitui de várias outras. Uma crise econômica e não somente a do Brasil, que está agravada em função de medidas que não foram tomadas no tempo certo, mas temos como pano de fundo a crise global. Temos uma crise social, ambiental”, falou.
  •  
  •  
Audiência pública contou teve participação de estudantes, pesquisadores e outras autoridades (Foto: Caio Fulgêncio/G1)Audiência pública contou teve participação de estudantes, pesquisadores e outras autoridades (Foto: Caio Fulgêncio/G1)
Marina acrescentou que, diante de tantos aspectos afetados, o que existe atualmente é uma crise da civilização. “A conclusão é que estamos vivendo uma crise civilizatória e não sabemos como manejá-la. Em um problema dessa magnitude, não podemos chegar ao ponto de não retorno. É preciso ir pelo princípio da precaução. O que estamos fazendo é buscar ir na direção da precaução”, defendeu.
Em uma das falas no evento, o senador Jorge Viana também defendeu a modificação do modelo econômico e apontou, em relação à preservação das florestas, a necessidade de uma redução maior nos níveis de desmatamento no país.
“É preciso mudar o modelo, porque esse que usa combustíveis fósseis não se sustenta. O Brasil já poderia ter zerado o desmatamento ilegal, isso é possível. O que fazer agora? É preciso reduzir mais, mas é preciso ter uma economia vinculada à biodiversidade e à floresta”, concluiu.

'Parei pelo meu neto', diz mulher que fumava 500 cigarros por semana

Servidora pública começou a fumar com 15 anos e só parou aos 50.
Médica diz que ajuda de especialistas e apoio da família foram fundamentais.

Iryá RodriguesDo G1 AC
Haydée e o neto Cauã Batista, de 10 anos (Foto: Iryá Rodrigues/G1)Haydée e o neto Cauã Batista, de 10 anos (Foto: Iryá Rodrigues/G1)
Após o neto fazer um apelo, a servidora pública Haydée Meireles, de 54 anos, que fumava 500 cigarros por semana, resolveu parar de fumar. Segundo ela, eram três carteiras por dia durante a semana e aos finais de semana chegava a fumar dez. Há quatro anos, Haydée conta que parou de fumar e que hoje não se imagina mais com o velho hábito.
“Um dia meu neto perguntou porque eu usava aquela porcaria e naquele momento resolvi que era preciso parar”, lembra. Como o Dia Nacional de Combate ao Fumo é comemorado neste sábado (29), a servidora conta como foi sua luta contra o tabagismo. Fumante desde 15 anos, ela conta que foi induzida pela curiosidade. Por 35 anos, ela ficou como fumante.
Tentava ocupar minha mente jogando paciência no computador"
Haydée Meireles
“Quando resolvi parar, confesso que não foi fácil. Usei por 45 dias um adesivo fornecido pela Saúde, e isso me ajudou bastante. Além disso, tentava ocupar minha mente jogando paciência no computador. Parei pelo meu neto e por pensar que era melhor parar antes de ficar doente do que ter que fazer isso à força”, fala.
A servidora pública diz que quando vê outros fumantes hoje em dia, principalmente jovens, sente pena. “Sei o quanto é difícil parar e o quanto fumar faz mal. Graças a Deus e ao meu neto consegui largar esse vício, e hoje não tenho vontade nenhuma de voltar a fumar. Tenho muitos amigos que continuam com esse hábito. Espero que eles consigam sair disso, assim como eu”, afirma.
Economia de R$ 6 mil ao ano
Ao considerar que um maço de cigarro fabricado no Brasil na época em que a servidora pública fumava custava em média R$ 5, ela que consumia diariamente três maços de cigarro e aos finais de semana dez, no fim do mês o gasto era de em média R$ 100. Em um ano, Haydée chegou a gastar R$ 6 mil com cigarros.

'Quero começar 2016 limpo', diz jornalista
O jornalista Leandro Chaves, de 27 anos, está na luta para parar de fumar. Ele conta que começou quando tinha 19 anos e há 17 dias tem reduzido a quantidade de cigarros. Chaves chegou a fumar nove carteiras de cigarro por semana, atualmente ele reduziu para duas, somente aos finais de semana.

“No início era só uma brincadeira, somente quando eu ia beber no final de semana. Depois  passei a fumar todos os dias. Era pelo menos uma carteira por dia e na sexta e sábado essa quantidade dobrava. Tenho tentado reduzir”, conta Chaves.
A vontade de parar surgiu quando Leandro percebeu que já estava sem o mesmo fôlego para fazer suas atividades. Ele conta que gosta de andar de bicicleta, e já não conseguia ter o mesmo ritmo. Além disso, o jornalista diz que o cheiro forte do cigarro incomodava no seu trabalho durante as entrevistas.
O jovem diz que pesquisou dicas de como parar de fumar na internet e tem tentado praticar. “Li que o melhor é ir parando aos poucos e foi o que fiz, venho reduzindo. Para tentar driblar a vontade de fumar, estou sempre com uma bala na boca, e tomando muita água, tem me ajudado. Coloquei na cabeça, e vou parar. Quero começar 2016 limpo”, diz.
Médica alerta para riscos do tabagismo
No Dia Nacional de Combate ao Fumo, a pneumologista Rosely Barreiros alerta sobre os riscos causados pelo tabagismo e fala sobre os tratamentos para quem quer parar de fumar. Diariamente, milhares de pessoas enfrentam o desafio de abandonar o vício. Segundo a médica, a ajuda de especialistas e o apoio da família são fundamentais.

"O uso do cigarro tem vários efeitos, a fumaça pode causar o dano maior que é no pulmão, ou seja, doenças do sistema respiratório, como o enfisema pulmonar. Além disso, o tabagismo pode agravar os casos das pessoas que sofrem com asma. Isso sem falar nos cânceres de pulmão, boca, língua e laringe”, adverte a pneumologista.
Além disso, a médica destaca que quanto mais tempo a pessoa usa o cigarro maior são os seus riscos. "A cada um maço por dia, que são 20 cigarros, calculamos 20 anos para o usuário ter a carga tabágica, ou seja, para saber o grau de dependência, os riscos que essa pessoa já tem com o uso do tabaco. Lógico que isso vai muito da predisposição genética de cada um, tem gente que com cinco anos de tabagismo, já pode ter lesão vascular e outras doenças", explica.
De acordo com a pneumologista, parar de fumar requer uma mudança na vida do fumante. Rosely diz que existem casos de pessoas que conseguem parar sozinhas, mas esses são os mais difíceis. Segundo a médica, a cada 10 pessoas que tentam parar de fumar sozinhas, sete voltam a fumar e, na segunda tentativa, acabam ficando menos estimuladas. A médica acredita que o fumante precisa, além da força de vontade, de tratamento para conseguir deixar o vício.
"Deixar de fumar tentando sozinho é possível, mas não é o jeito mais fácil. Quando a gente fala em parar de fumar, existem tratamentos para auxiliar nessa fase, porque normalmente a pessoa que fuma é ansiosa e descarrega essa ansiedade no cigarro. Então, o tratamento com adesivos para reposição de nicotina é uma opção", diz a médica.
Em média, é necessário três meses para que o paciente consiga largar o cigarro, mas, segundo a médica, de acordo com cada caso, alguns poderão conseguir superar o vício em menos tempo.
Cigarro (Foto: Reprodução/RBS TV)
Rio Branco tem o maior número de fumantes da
Região Norte (Foto: Reprodução/RBS TV)
Rio Branco tem maior número de fumantes da Região Norte
Com um percentual de fumantes, acima de 18 anos, de 9,7%, Rio Branco é a capital com o maior número de pessoas que consomem cigarro da região Norte. Os números são da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2014) e foram divulgados pelo Ministério da Saúde.

A pesquisa analisou o período de 2006 a 2014. Em segundo lugar está Boa Vista com 9,3%, em seguida Manaus 8,3%, Porto Velho 7,9%, Macapá 7,5%, Belém 7,0% e Palmas com 6,7%. Em uma pesquisa anterior da Vigitel, realizada entre 2006 e 2013, Rio Branco havia tido uma redução de 52% na prevalência de tabagismo em adultos.
Ainda segundo o levantamento da Vigitel de 2014, repassado pelo Ministério da Saúde, 9,7% da população da capital do Acre, Rio Branco, é fumante.
Ações de combate ao tabagismo
O tabagismo, segundo o Ministério da Saúde, é responsável pelo desenvolvimento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), como câncer, doenças pulmonares e cardiovasculares. Ainda de acordo com o órgão, o uso do tabaco continua sendo a principal causa de mortes evitáveis.

A priorização do atendimento de quem deseja parar de fumar nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) pode ser mensurada pela Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada pelo Ministério da Saúde, em parceria com o IBGE. Em 2013, 73,1% das pessoas que tentaram parar de fumar conseguiram tratamento, um aumento importante em relação a 2008, quando o índice era de 58,8%.
Atualmente, das 39.228 equipes de saúde na família, mais de 23 mil em todo o país estão prontas para oferecer o tratamento ao tabagismo em 5.460 municípios. Em 2013 e 2014, o Ministério da Saúde destinou R$ 41 milhões para compra de medicamentos (adesivos, gomas e pastilhas de nicotina e bupropiona) ofertados no tratamento contra o tabagismo.

Operação do Exército apreende drogas, armas e dinheiro no Acre

IMG_6876
O Comando do 4º Batalhão de Infantaria e Selva (4º BIS) divulgou nesta sexta-feira, 28, os resultados da Operação Curare VII. As ações do Exército Brasileiro contaram com o apoio da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Receita Federal e polícias Militar, Civil, Federal e Rodoviária Federal.

Foram realizados procedimentos de revistas em 17 aeronaves, 585 embarcações, 1.200 motocicletas, 2.916 veículos leves, 211 caminhões, 106 ônibus e vans, além de 1.796 pedestres. O que resultou na apreensão de 3 quilos de entorpecentes, cinco armas de fogo, R$ 8 mil em produtos oriundos de contrabando e sete prisões.
“Nossa missão constitucional é a proteção das nossas fronteiras e com o apoio das polícias e demais agências, nos facilita cumprir essa missão. Essa sinergia proporcionada pela integração entre as forças armadas e a Segurança Pública em geral, potencializa nossas possibilidades e facilita e muito o nosso trabalho”, disse o tenente-coronel Medeiros Júnior, comandante do 4º BIS.
A Operação Curare VII foi realizada durante 10 dias em todos os municípios acreanos localizados na linha de fronteira do Brasil com a Bolívia e Peru. Dias antes, ocorreu também a Operação Brasil Integrado, coordenada pela Sesp, que envolveu também as mesmas agências, forças armadas e de segurança.
“Nos municípios fronteiriços em que ocorreram essas operações, nós tivemos uma redução em 80% de homicídios e 48% nos casos de roubos. O mais importante de tudo isso é a proximidade entre os órgãos que compõem a Segurança Pública do Estado com as demais instituições federais e o Exército Brasileiro”, disse o secretário de Segurança Pública, Emylson Farias.
http://www.ac24horas.com/2015/08/29/operacao-do-exercito-apreende-drogas-armas-e-dinheiro-no-acre/